Skip to content

Procol Harum – Something Magic – 1977 – O Último suspiro?

04/04/2013

Procol Harum Something Magic

Dois anos após o Procol’s Ninth foi a vez do nono álbum de estúdio do Procol Harum, “Something Magic”. A faixa título abre o álbum de forma imponente e estaria bem conectada a Skating On Thin Ice se houvessem alguns ruídos incidentais na passagem entre as duas faixas – notar que dois anos depois, em The Wall, a segunda faixa do álbum chamaria-se “The Thin Ice”, que contém a expressão “skating on the thin ice”, inspiração, coincidência, sincronia? – e perde um pouco do impacto. Na sequencia, Wizard Man fica fora de contexto e é completamente avessa a tudo o que o Procol havia feito até então – é algo de pop completamente comercial e sem atrativo, boa para FMs. Mas em Mark Of The Claw o Procol consegue chamar a atenção desde o primeiro compasso, com um ótimo riff. O entrosamento da seção rítmica é perfeito, o riff é inesperado e Mark Of The Claw é a melhor faixa do Lado A, com a cara da banda. Strangers In Space é um rythmyn blues muito bom mas que também está completamente fora da proposta da banda – é lógico que cada um faz o que quer, mas os fãs sempre vão notar as incoerências e a péssima colocação que o álbum atingiu foi a resposta indesejada. No lado B, uma suíte chamada The Worm And The Tree, com 20 minutos de narração, encerrou a carreira da banda. Poderia ter funcionado, talvez, se Rick Wakeman já não o tivesse realizado em 1974 em sua obra-prima Journey To The Centre Of The Earth. Ou pode ser que o público não aceite bem álbuns “meio” conceituais, pois não fica tão bom quanto uma pizza meio-isso, meio-aquilo, talvez a quebra da noção de continuidade seja fatal para a apreciação da obra. Na verdade, The Worm And The Tree é uma das peças mais ousadas e fantásticas do Procol Harum, mas deveria ter sido lançada num outro álbum. Vou citar The Wall mais uma vez: no lado B do segundo álbum, entre as últimas faixas, está a canção Waiting for The Worms, e para muitos, The Wall foi o último álbum do Pink Floyd – inspiração (sic), coincidência, sincronia?

Aqui começa um período de 14 anos de silêncio do Procol Harum, durante a ascensão do punk, da disco music, e do heavy metal.

Faixas: Something Magic,Skating on Thin Ice,Wizard Man,The Mark of the Claw,Strangers in Space,The Worm & The Tree

Formação da banda nesse álbum: Pete Solley,Chris Copping,B.J. Wilson,Mick Grabham,Gary Brooker

Patinando Em Gelo Fino (Skating on Thin Ice)

 Você era o jogador /e jogou bem/ Eu era o estranho/ e fui o coringa do jogo/ Você era o professor/ e você era o melhor/ eu era o caçador/ e falhei no teste/ Estávamos sempre patinando em gelo fino/ Sacudindo os dados errados/ Nadando contra a maré/ Jogando do lado errado

Sim você era o jogador/ e era tão legal / Eu era o calouro/ Rei dos tolos /Pintando o quadro/ para combinar com a moldura/ Trocando os jogadores/ para combinarem com o jogo/ Você foi o que procurava/ pelo céu/ eu era o viajante/ apenas passando/ Você foi o que tomava/ e você fez a chamada/ eu era o falsário/ e deixei a bola cair

Abraços Progressivos!!!

Tupi

Anúncios

From → Procol Harum

Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: